"O Rio de Janeiro continua liiiindo...!"

Posted: Wednesday, October 20, 2010 | sambado por inesferrao | 16 caipirinhas

Ok, ponderei e voltei a ponderar ter ou não um blog. Continuar este, aliás. Já tinha decidido que não até me aperceber que terei de enviar mails a contar as mesmas coisas a toda a gente. E assim é mais fácil! É tudo uma bela questão de preguiça, vendo bem ^^

Ora bem! O que é que estou a fazer de novo no Rio? De facto foi uma decisão difícil, sempre me imaginei a ir para os Estados Unidos depois de terminado o curso (coisa que já está, ah yeahhh!). Mas a questão é que, dia 28 de Fevereiro saí desta cidade sem estar pronta. Usei a palavra "adeus" muitas vezes, mas a verdade é que nunca me cheguei a despedir. Como bem sabem os que estão mais próximos de mim, foram mais de mil as vezes que eu suspirei pelo Brasil, pelo Rio, pela Vila Kennedy, pela vida carioca. Voltei. E, entendam-me, pela primeira vez não foi fácil. Não é Erasmus, não é estágio curricular, é uma loucura e vontade de viver que nem eu sem explicar. Ir à toa pode mexer com a cabeça, mas eu tentei que não me afectasse. E a minha preocupação principal não deixou de ser o meu puto.. :) Apoio-me naquilo que já tenho repetido várias vezes: não há melhor sensação que saber que tudo estará igual quando voltar. E estará com certza.


Aterrei no Rio que me acolheu, tal como da outra vez, com chuva. Mas chuva abafada. Fui para o hostel onde era suposto trabalhar (não vou pôr aqui o nome, não vá o diabo tecê-las ;p), onde fui recebida por um norueguês hippie de 33 anos. Muito simpático, até aí parecia tudo normal. No entanto....

1. O staff room tem, a sério, uns 4 metros quadrados. Cheio de teias de aranha, absolutamente nojento. O pior é que o único trabalhador do momento era o tal norueguês e as nossas camas estavam literalmente coladas. Creepy. Uma das casas de banho parecia a que eu tinha em Pisa (não é um elogio.), sendo que não tinha porta, só uma cortina. A outra tinha, de facto, uma porta, só não fechava.

2. A dona do hostel estava deprimidíssima porque, aparentemente (disse-me o norueguês), o namorado tinha acabado com ela. Então falou-me durante 30seg e voltou para o quarto para se lamentar durante dois dias seguidos. Quero dizer, não me interpretem mal, eu passaria 3 meses no quarto (sou tão amorosa.), mas chego para trabalhar e ela não me diz nada..?

3. Era suposto haver uma desformigação (diz-se assim? ;p), só de si uma necessidade triste, então não havia um único hóspede. Por favor, conseguem imaginar uma situação mais estranha para alguém que aterra à toa no Rio de Janeiro..?


ENTÃO! Dormi lá na primeira noite a tentar conformar-me. No dia seguinte, na maior tempestade, decidi ir visitar uma organização com a qual quero trabalhar. Depois, pensando no quarto feioso e todo o contexto do hostel, decidi aventurar-me para Santa Tresa (♥) onde sabia que havia outra pousada a aceitar work exchange, Cheguei profundamente encharcada e a dona ficou meio intrigada ("were we waiting for you..?"). Mas disse-me que, por acaso, estavam à procura de alguém. Mostrou-me a casa, que eu amei, e ficou com os meus contactos. Disse que dois meses era pouco tempo, que em princípio não dava, mas que me depois me informava da decisão dela.


Voltei para o creepy hostel sem saber se haveria de ter a mínima esperança. Duas horas mais tarde, um e-mail: GOSTARAM DE MIM E QUEREM-ME A TRABALHAR COM ELES! Durmo toda feliz ao lado do norueguês com a consciência que seria a última noite assim. Dia seguinte agarrei nas malas e lá vim eu para a (agora) minha casinha! Há que dizer que a dona do outro hostel continua tão deprimida que acho que nem percebeu quando lhe disse que ia embora. Whatever.

Há mais voluntários (americanos, colombianos, holandeses) para fazer turnos, 3 cães para passear, vistas maravilhosas. Deixo aqui algumas fotozinhas!






Entretanto hoje voltei à Vila Kennedy! Voltar a ver a Cleide foi óóóóptimo, ver que o CCI mudou imenso também, mas tive uma má notícia na qual ainda agora estou a pensar. Oh well. (Claro que entretanto comi um açaí a voltar para casa, não consegui resistir.)

Quero agora encontrar um belo projecto de desenvolvimento comunitário! Estou à espera de respostas!

E é isto, escrevi imenso, mil desculpas!

Beijinho carioca :)

Posted: Monday, March 29, 2010 | sambado por inesferrao | 4 caipirinhas


Até parece que já deixou de fazer sentido escrever aqui. Ou seja, falar sobre tudo e dizer que foi muito bom e bonito. Todos dizem que claro que sim, que é o Rio de Janeiro e não se esperava outra coisa. É tudo bastante óbvio.



Mas por outro lado, sinto que, mais uma vez, preciso de escrever para ver se algum deste peso me sai de cima. Não estivesse eu, passado quase um mês do meu regresso, às 5h da manhã, a pensar no Brasil. De novo. Mantenho-me calada para não me tornar cansativa - as teclas que me aguentem.



A verdade é que continuo a rever as fotografias de quatro em quatro horas, que fico com nó na garganta quando vejo imagens do Rio e que não vou dormir sem antes ouvir música brasileira.



Tenho a ideia que sempre soube que me iria bater forte. Desde sempre apaixonada pelo Brasil e brasileiros, logo quando fui pela primeira vez aos doze aninhos. É o que todos sabem ou imaginam: A simpatia que transborda, o sotaque cantado, o ritmo, a música, o sol e o mar.



Eu cá orgulho-me de ter vivido mais. Os mil encantos da cidade maravilhosa. Recordo com um sorriso (e uma vez ou outra uma lágrima) o que lá passei. A Cleide, que se tornou a minha segunda mãe, e em quem penso todos os dias. Como me ia sempre pôr sempre ao ônibus e esperava que partisse para dizer adeus, até amanhã. As minhas crianças e tudo o que me deram – e poxa, foi tanto. Os meninos da Vila Kennedy que corriam para mim sempre que chegava ao CCI ("Tia Inês!") e os do Batan a pedirem à “professora” para não os deixar no último dia. Todos os amigos (e digo amigos com certeza) que fiz. Todos os sítios que explorei. Todos os esforços que fiz para nunca ficar quieta, que valeram tão a pena!



As horas que passei no S-14, sempre à procura do lugar à janela para aliviar um pouco os 45º. Os abraços sentidos, as mãos dadas porque sim. As conversas e partilhas. As danças de 6 horas na Lapa. As rodas de samba que me faziam sorrir descontroladamente. Que povo! O pôr-do-sol no Arpoador, nadando e rindo de tão feliz que estava. Os bailes funk que não estavam previstos. O Carnaval, os tambores, as mangueiras que encharcam a multidão. Os açaís com calda de framboesa, por favor. E para o David é com granola e caramelo. Os churrascos, ataques de riso e a constante liberdade dentro da cabeça.



Não me quero estender aqui, sabem, deixo os agradecimentos.



À Livia que foi a minha melhor amiga na casa.


À Anna, Patricia, Willa, Alex Menina, Stacey que não lhe ficaram muito atrás.


À Kate, Anneliese, Anna inglesa, Louise, Gilly, Dayna, Kaydian e Kara.


Aos rapazes: Tom, Augustin, Nick, Joe, Fabien, Damien. Um cantinho especial para eles: Rob, Seppe, Dave, David e Alex Menino.


Um incontornável obrigado, mais uma vez, à Cleide. Por tudo o que ela é.


Outro à Jupira, não tivesse sido ela a levar-me ao sítio onde fui mais feliz.


Aos meninos e meninas: Eduarda, Ricardinho, Cintia, Adriana, Helen, Estela, Miguel, Renan, João, Juliana, Kathleen, Érica, Maria, Paulinha, as duas Bias, Ryan, Paulo, Ariane, Joab, Alessandra, e mais, e mais. À Tia Leia e Mara também, com certeza.


Às Lucianas, à Nádia e à Flávia, perfeitos exemplos da afeição carioca.


À Jessica, Marquinhos e os restantes da dança afro-brasileira. Por me porem sempre a dançar que nem uma louca.


Ao Saulo, Alex brasileiro e Anauê.


Ao Marcelo e respectivos amigos.


Até ao senhor simpático que me dava bolos para o café da manhã na Rua do Lavradio.


Por fim, à minha família e amigos que continuam a aturar (e apoiar!) as minhas ideias fixas do que quero fazer na vida.



Valeu mesmo. E a gente se vê. :)

Ah ta!

Posted: Thursday, February 4, 2010 | sambado por inesferrao | 6 caipirinhas

Bom djia galerinha!

Novidades: Como sempre, os Adeus: Willa e Alex the Girl.. :\ Duas das minhas mehores amigas aqui. Já não vale a pena bater na mesma tecla e dizer que é difícil, right? Mas vamos encontrar-nos em Londres, assim que eu ganhar um dinheirinho ;p
Agora os Oi: A casa está cheia (e cada dia mais!) e estou a adorar conhecer imensas pessoas. Kate e Patricia, as minhas non quitters. Alex the Boy, Gilly, David TEDDY, Mark e o seu sotaque incompreensível, enfim! Gosto muito :) E agora ficam todos para o Carnaval (está chegaaaando!)


Este fim-de-semana não fui à praia. Sábado fui com a Anna polaca, o Alex e a Alex ao Jardim Botânico! Muito bonitxinho, fresco e relaxante. Se tivesse mais tempo, passaria lá um dia a passear e a cochilar (ahah) num dos bancos.



Domingo decidimos ir com mais tempo (só tinha ido uma vez) às escadas do Selaron na Lapa. Ele é um artista meio louco mas genial que preenche imensos sítios com azulejos e sabe onde estão todos. Encontrámo-lo lá por acaso e foi todo contente mostrar-me onde estavam os azulejos de Portugal! Passámos depois o resto do dia a passear pela Lapa, adoro o bairro e ponto final.


(nódoa negra culpa dos rapazes que me empurraram feitos parvos.)


Tivémos também um churrasco em nossa casa, bem bom.


A semana de trabalho foi gratificante :) Não podia gostar mais dos miúdos tanto da VK como do Batan. Sou completamente apaixonada por eles que me fazem sorrir desde que chego até ir embora! Tenho levado lá outros voluntários para me ajudar, hoje foram a Anna e a Patricia dar uma aula de dança!



Ajudei a Cleide a fazer um pedido de financiamento bastante complexo e consegui fazer tudo bem, woohoo! Segunda-Feira vou com ela a uma reunião na Prefeitura sobre projectos comunitários onde vou conhecer imensas assistentes sociais! E já amanhã vou começar um pequeno workshop com as crianças mais velhas do CCI :)

Aparte um pouco parvo (já é tradição), no outro dia do nada surgiram uns vinte macaquinhos no nosso telhado :)
(a jogar mikado com esparguete que caiu no chão.)


Quanto a outros planos, é ir na próxima Quinta-Feira visitar um projecto na Rocinha, estou bem entusiasmada! :D

Enfim, é isto! É mesmo quase Carnaval! E está mesmo quase a acabar*

Beleza?

Posted: Sunday, January 24, 2010 | sambado por inesferrao | 7 caipirinhas

Bonjour! :)

Na verdade, venho mais partilhar fotos que outra coisa. A minha vida aqui continua igual: Vila Kennedy, Batan, velhos voluntários, novos voluntários (ainda hoje chegaram 3!), brasileiros e brasileiras, sol, dança, sítios do costume e outros visitados pela primeira vez. Chuvas tropicais, subidas a morros, conversas e mais conversas, churrascos em casa e festa na rua.


Com a Jessica e Alex


A caminho da praia da Barra







Donos da casa da Dayna, no Pereirão





Dayna e Willa :)



Anna inglesa, Patricia, Amida, eu, Anna polaca
Churrasquinho! :)


E vou aproveitando. Estou a sentir o tic tac.








Muitos beijinhos!